Oficina de fotografia em Holambra/SP

Apesar de divulgado no site da própria prefeitura municipal que o início será no dia 28/07, a oficina de fotografia que ministrarei na cidade de Holambra / SP começará na quinta-feira, dia 30/07!
Quer participar? Corre lá!

Oficina de fotografia em Holambra / SP

FONTE: http://www.holambra.sp.gov.br/noticia/cultura-e-eventos/334,abertas-as-inscricoes-para-oficina-basica-de-fotografia.html

Anúncios

Oficina de fotografia

Hoje começo a ministrar a oficina “Fotometria, Iluminação Criativa e Photoshop”, pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, através da Oficina Cultural Carlos Gomes.

Sempre faço seleção por questionário, para conhecer o perfil dos interessados (as regrinhas de marketing estão sempre na cabeça, em tudo).
Tabulando os dados fica muito claro que a necessidade geral é de compreender o funcionamento do próprio equipamento (mesmo quando se trata de câmera compacta) – Imagine, então, a essencial fotometria.

É preciso que as bases, formadas por aqueles que gostam de fotografia, que formam opinião sobre fotografia (dentro de seus próprios círculos sociais), que consomem fotografia, entendam que ela é prazerosa, porém não tão simples e barata quanto pode parecer. Somente assim os profissionais da área serão valorizados e o mercado se fortalece.

Fica a dica para os que se dispõe a lecionar fotografia. Quando a informação é disseminada, o bom profissional é quem mais ganha.


Arte final: Marcos César Fermino

Movimentos Convergentes

Fui convidado a participar do projeto Movimentos Convergentes, atividade sob curadoria da artista plástica Cecília Stelini, em comemoração aos 15 anos da Oficina Cultural Carlos Gomes.

A referência para criação era o MoMA PS1, do Queens de Nova Iorque – Uma vez que nosso espaço também era o prédio de uma escola abandonada.

Meu desafio seria ligar a fotografia a uma produção “site specific” e ao mesmo tempo, abandonar seu suporte convencional, a revelação fotográfica.

Também era parte do projeto a interação da fotografia em lugares heterodoxos, fora do âmbito tradicional de galerias e museus. Assim as obras dos fotógrafos não serão expostas nas salas, somente nos outdoors.

Outros fotógrafos que participam do evento: Edu de Paula, Guilherme Lechat, Márcio Lambais e Rogério Entringer.

Além dos outdoors, a fotografia será apresentada em outros suportes, completamente inusitados, durante as performances que acontecerão no evento. Fica o convite para seguir a programação e prestigiar as atividades.

O resultado, outra foto da mesma sessão, a arte para o outdoor e a instalação seguem abaixo.

Exposição coletiva INTERTEXTOS FOTOGRÁFICOS

A exposição INTERTEXTOS FOTOGRÁFICOS, que apresentou resultado dos trabalhos realizados pelos alunos da oficina de fotografia ministrada em outubro de 2009 pelo professor Rogério Entringer, tornou-se itinerante e agora está no campus da UNIP Limeira.

É a primeira vez que vejo, ao menos em Limeira, uma exposição fotográfica ganhar tanta mídia: Divulgação nos jornais locais, em programa de TV, na internet e em 15 outdoors espalhados pela cidade!

 

FOTO: Rogério Entringer

 

Mérito total do Rogério, um cara muito engajado e que luta pela fotografia enquanto expressão artística, instrumento documental e até ferramenta política.

Logo falo mais sobre sua visão quanto a fotografia. Se não quiser esperar por isto, dê uma olhada aqui – Aposto que sua compreensão sobre o ato fotográfico não será mais a mesma (Apesar que só conversando pessoalmente que se entende a profundidade de leitura que este cara tem).

Também acabo de ter contato com Eduardo Mello, professor universitário de fotografia, atualmente lecionando em Campinas.
Ele está ministrando uma oficina sobre “fotografia cultural” e está dando uma enxurrada de ótimas referências aos seus alunos.
…Só espero que estes tenham visão suficiente para compreender a importância de se beber da fonte.

Devo organizar um evento que reunirá estas duas cabeças pensantes da fotografia para uma mesa, junto de fotógrafos de diversas outras áreas.
A idéia é que o debate seja forte e marcante para a fotografia regional (sim, sou pretensioso).

Lightpainting

 

No início de 2009 fui convidado pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo a ministrar um workshop sobre fotografia.Tempo curto, prazo apertado, público sem perfil definido. Pensei então em algo que fosse divertido a todos, do iniciante ao profissional.

LIGHTPAINTING!

Turma bacana, boa quantidade de inscritos para um workshop de verão, engajados e abertos a proposta. Pena que foi curto, apenas quatro encontros dentro de um mês.


Separados em grupos, propus que se organizassem para criar um pequeno stop motion a partir das fotos em lightpainting.
Considerando o tempo (aproximadamente uma hora) para se definir funções, tema, dirigir e fotografar, os resultados foram excelentes!

Abaixo o vídeo de um dos grupos:

Mesmo sendo uma técnica antiga e simples, é pouco explorada profissionalmente, apesar de sua vasta aplicação: As possibilidades são infinitas e podem render resultados surpreendentes.
Imagino um fotógrafo que se especialize em lightpainting, como o

Tony Genérico em splash.
Estando em um grande centro, trabalhos não faltariam! Desde publicidade até casamento (por que não?).

Timidamente algumas agências de publicidade começam a utilizar a técnica em campanhas e apresentam trabalhos fantásticos.

Numa recente palestra em Limeira, Fernando Musa (CEO da

Ogilvy & Mather) mencionou como alguns profissionais brasileiros são megalomaníacos.
Não foi exatamente este o termo que ele usou, mas era algo assim.
Como exemplo, citou a cotação de uma produção de vídeo no Brasil pelo dobro do que fora cobrado em Los Angeles – Ainda sem contar com o profissionalismo (ao pé da letra) de lá.
Resultado: Claro, contrato fechado em LA.

Talvez por isto o lightpainting não seja tão explorado aqui, pois em detrimento da criatividade, a publicidade pensa no valor investido. “Se for barato não quero no meu portfólio”.

É uma discussão antiga que tenho com amigos publicitários. Muitos egos inflados, muitos números altos, muito delírio. Acaba que o publicitário faz publicidade para publicitários – E o target mesmo, a dona de casa que precisa do sabão em pó, não entende nada e opta pelo (maldito) diferencial de preço.

…Comecei falando do workshop de lightpainting e terminei em publicidade para publicitários!
Imagina se estivesse falando sobre Física Quântica?!?
To louco.